Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Karzai diz que quer um 2o turno eleitoral 'melhor'

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, disse querer um segundo turno da eleição presidencial melhor e mais limpo em novembro para levar estabilidade ao país, em uma época em que a violência do Taliban atinge seu auge em oito anos de guerra.

HAMID SHALIZI, REUTERS

23 de outubro de 2009 | 09h17

Karzai concordou em enfrentar seu principal rival, Abdullah Abdullah, em uma nova disputa em 7 de novembro, depois que uma investigação sobre fraudes realizada pela ONU anulou votos suficientes para ele no primeiro turno, em agosto, para forçar um segundo turno.

O líder afegão rejeitou as alegações de fraude, mas se curvou às pressões internacionais e ordenou um segundo turno a fim de aumentar a credibilidade da eleição em um momento em que Washington estuda se vai enviar mais tropas ao Afeganistão.

Em um comunicado na noite de quinta-feira, Karzai disse que aceitava o segundo turno.

"Aceitei o segundo turno em interesse da nação, para reforçar a estabilidade e as chances de democracia no Afeganistão", disse o presidente segundo o palácio.

"Agora que vamos fazer o segundo turno em duas semanas, quero que ele seja melhor que o primeiro turno."

Preocupações sobre segurança e uma repetição das fraudes que mancharam o primeiro turno eleitoral lançaram uma sombra enquanto autoridades no Afeganistão iniciavam os preparativos para a votação.

Uma importante autoridade eleitoral já avisou que as forças afegãs e internacionais dificilmente terão tempo suficiente para fornecer segurança total antes da votação. A campanha oficial começa ao meio-dia de sábado.

Para evitar uma repetição da fraude, muitos fiscais eleitorais serão substituídos, disseram as autoridades. A missão da ONU em Cabul disse que urnas em lugares com baixo comparecimento devido à péssima segurança e onde houve muitas fraudes não abririam, e os eleitores seriam encorajados a depositar seus votos em outros locais de votação nas proximidades.

Acredita-se que Karzai vencerá o segundo turno em grande parte graças a sua forte base aliada entre os Pashtun --o maior grupo étnico do Afeganistão. Ele continua popular entre muitos afegãos, que o enxergam como um líder experiente.

O ex-chanceler Abdullah, por outro lado, é meio Tajik e meio Pashtun, e é visto como um candidato que pode deixar para trás as linhas étnicas que dividem o país.

Tudo o que sabemos sobre:
AFEGANISTAOSEGUNDOTURNO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.