Kerry volta a Israel para negociações de paz, mas Netanyahu mostra pessimismo

Na décima visita do americano à região, primeiro-ministro israelense acusou autoridades palestinas de orquestrarem campanha de incitamento contra o país

ARSHAD MOHAMMED, Reuters

02 de janeiro de 2014 | 17h48

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, expressou pessimismo sobre a perspectiva de um tratado de paz com os palestinos nesta quinta-feira, quando o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, iniciava sua décima visita à região em busca de um acordo.

"Há dúvidas cada vez maiores em Israel sobre se os palestinos estão comprometidos com a paz", disse Netanyahu, em declarações ao lado de Kerry. Ele acusou as autoridades palestinas de orquestrarem uma campanha "inabalável" de incitamento contra Israel.

Nos dias que precederam a última visita de Kerry a Jerusalém, líderes palestinos igualmente acusaram Israel de tentar sabotar as conversações, cujo objetivo é pôr fim a décadas de conflito.

Kerry concentrou seus comentários nos esforços dos EUA para um acordo final de paz, que o governo norte-americano espera alcançar até abril, e na sua busca no curto prazo de um pacto sobre as linhas básicas que abririam caminho para um acordo permanente.

Ele disse que líderes israelenses e palestinos estavam se aproximando desse ponto, ou quase -- momento em que deverão ser tomadas decisões duras -- e se comprometeu a trabalhar mais intensamente com ambos os lados para tentar reduzir as diferenças para a estrutura básica de um tratado de paz.

As linhas gerais para tal acordo teriam de enfocar questões importantes como as fronteiras de um futuro Estado palestino, segurança, refugiados palestinos e o status de Jerusalém, disse Kerry.

"Criaria os parâmetros fixos, definidos, pelos quais as partes saberiam para onde teriam de se nortear e qual seria o resultado final", afirmou. "Isso levará tempo e vai requerer concessões de ambos os lados, mas uma estrutura básica pactuada seria um avanço significativo."

Os líderes palestinos e israelenses demonstraram distância nesta semana das questões básicas do conflito.

O vice-ministro de Relações Exteriores de Israel, Zeev Elink, rejeitou nesta quinta-feira a criação de um Estado Palestino com base na fronteira anterior à Guerra dos Seis Dias, de 1967, na qual Israel capturou e ocupou a Faixa de Gaza, Jerusalém Oriental e a Cisjordânia.

Na terça-feira, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, renovou o pedido de que todos os colonos e soldados israelenses que estão dentro dos territórios ocupados em 1967 se retirem, dizendo que não hesitará em rejeitar um mau acordo.

Kerry disse nesta quinta-feira que não pretende impor as ideias dos EUA, mas "facilitar os esforços próprios das partes".

(Reportagem adicional de Noah Browning, em Ramallah)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDISRAELKERRY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.