Reprodução/AP/Al Arabiya - 26/02/2008
Reprodução/AP/Al Arabiya - 26/02/2008

Libertado 1 dos 5 britânicos sequestrados no Iraque em 2007

Consultor estava em poder do grupo Resistência Xiita Islâmica, que ainda estaria com um guarda-costa inglês

Efe,

30 de dezembro de 2009 | 13h34

O consultor de informática Peter Moore, um dos cinco britânicos sequestrados no Iraque em 2007, foi libertado, confirmou nesta quarta-feira, 30, o ministro de Assuntos Exteriores do Reino Unido, David Miliband. Moore, de 36 anos, está "com boa saúde, apesar do longo tempo de cativeiro", disse Miliband, ao dizer que o cidadão britânico foi solto hoje em Bagdá.

 

"Peter foi liberado pelos seqüestradores nesta manhã em Bagdá e foi entregue às autoridades iraquianas. Agora esta sob os cuidado da Embaixada britânica em Bagdá", explicou o ministro em uma declaração feita na sede de seu departamento.

 

O chefe da diplomacia britânica assinalou que manteve uma conversa "muito emocionante" com Moore, que está "totalmente feliz" pela sua libertação.

 

Após a confirmação da libertação, o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, declarou "alivio com a notícia maravilhosa", e o pai do libertado, Grame Moore, de 60 anos, disse que está "louco de felicidade".

 

O consultor foi sequestrado junto com quatro guarda-costas (três dos quais morreram) em 29 de maio de 2007 no Ministério das Finanças iraquiana, no centro de Bagdá, e se temia por sua vida, depois do destino de seus três compatriotas falecidos.

 

Não se sabe por enquanto a situação do quinto sequestrado, Alan McMenemy, embora o governo britânico tema que ele possa ter morrido.

 

Os corpos de dois dos guardas, Jason Swindlehurst e Jason Creswell, foram entregues ao Reino Unido em junho passado, e o corpo de Alec MacLachlan em setembro - todos foram assassinados com tiros.

 

No momento dos fatos, os sequestradores - pertencentes ao grupo Resistência Xiita Islâmica no Iraque - vestiam uniformes das Forças de Segurança iraquianas e chegaram em 40 veículos policiais ao Ministério, situado fora da chamada "zona verde" de segurança em Bagdá.

 

Em fevereiro do ano passado, o canal árabe "Al Arabiya" emitiu um vídeo no qual aparentemente aparecia Moore, quem pedia a Gordon Brown que as forças da coalizão libertassem os nove iraquianos que tinham detidos em troca da liberdade dos cinco reféns.

 

Ao contrário de outros sequestros no Iraque, este caso foi objeto de cobertura limitada midiática a pedido do Ministério de Assuntos Exteriores do Reino Unido, que sustentou sempre que essa publicidade podia frustrar os esforços para libertá-los.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.