Libertados 5 diplomatas iranianos detidos pelos EUA no Iraque

Pentágono acusava os homens, presos desde o começo de 2007, de colaborarem com grupos armados xiitas

Efe

09 de julho de 2009 | 13h45

Os cinco supostos diplomatas iranianos que tinham sido detidos pelo Exército americano no norte do Iraque em 2007 foram libertados, disse nesta quinta-feira, 9, o embaixador do Irã em Bagdá, Hassan Kazemi Qomi.

 

Em declarações divulgadas pela agência oficial de notícias local Irna, o representante iraniano disse que os cinco homens mantiveram um primeiro encontro com o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki. Depois, foram levados à Embaixada do Irã em Bagdá, onde, segundo a imprensa iraniana, está previsto que concedam uma entrevista coletiva ainda nesta quinta.

 

O porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores do Irã, Hassan Qashqavi, disse que os cinco foram entregues ao Governo iraquiano às 10h30 do Iraque (4h30 de Brasília) e que já conseguiram entrar em contato com seus familiares.

 

"Telefonaram tanto a suas famílias quanto à embaixada, e estão bem", acrescentou Qashqavi, que aproveitou a ocasião para criticar mais uma vez uma detenção que considera "irregular e que atenta contra as convenções internacionais".

 

Unidades especiais dos marines americanos detiveram, em 11 de janeiro de 2007, cinco supostos diplomatas iranianos que estavam no consulado do Irã na cidade curda iraquiana de Erbil. As forças americanas, que não reconheciam o status diplomático dos detidos, libertaram dois deles no final de 2007.

 

O Irã afirma que os outros três foram colocados em liberdade nesta quinta junto com outros dois supostos diplomatas detidos na mesma área em outra operação das forças americanas.

 

O Pentágono acusava os cinco homens de colaborar com a insurgência e com os grupos armados de oposição xiita.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUAIraquePentágonolibertação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.