Líbia adverte contra a compra de petróleo de portos confiscados no leste

A Líbia alertou clientes contra a compra de qualquer petróleo oferecido por um grupo que confiscou três portos petrolíferos no leste do país mais de cinco meses atrás, afirmou a empresa estatal de petróleo neste sábado.

Reuters

04 de janeiro de 2014 | 12h16

Fortemente armado e exigindo autonomia e uma maior parcela das vendas de petróleo, o grupo está ocupando os portos de Ras Lanuf, Es-Sider e Zuweitina, que anteriormente respondiam por 600 mil barris por dia (bpd) das exportações de petróleo.

A produção da Líbia caiu de 1,4 milhões de bpd para 250 mil bpd em julho devido a greves em unidades de petróleo em todo o país do norte da África, que pertence à Opep.

O grupo, liderado por um líder da milícia que ajudou a derrubar Muammar Gaddafi em 2011, disse que pode vender petróleo por conta própria, a menos que o governo de Trípoli atenda suas exigências para compartilhar receitas de energia e petróleo.

"A National Oil Corp (NOC) alerta a todos para não enviar navios para carregar ou descarregar cargas nesses (três) portos", disse a petroleira estatal em comunicado.

A NOC irá tomar medidas legais contra a assinatura de contratos de compra de petróleo com outra parte, acrescentou em comunicado.

(Por Ulf Laessing)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAPETROLEO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.