Líbia destina US$ 1,5 bi a vítimas de terrorismo

O fundo foi criado em agosto pelos EUA e pela Líbia para resolver acusações mútuas de terrorismo

SUSAN CORNWELL, REUTERS

31 de outubro de 2008 | 21h04

A Líbia já pagou 1,5 bilhão de dólares para um fundo para vítimas norte-americanas do terrorismo na década de 1980, disse o Departamento de Estado dos EUA nesta sexta-feira, 31, removendo o último grande obstáculo para uma relação bilateral normal. O pagamento às vítimas deve começar nos próximos dias, segundo o secretário-assistente David Welch. O fundo foi criado em agosto pelos EUA e pela Líbia para resolver acusações mútuas de terrorismo da década retrasada. No lado norte-americano, terão direito às indenizações parentes de vítimas dos atentados de 1988 contra um avião da Pan Am, que matou 270 pessoas sobre Lockerbie (Escócia), e de 1986 contra uma discoteca de Berlim Ocidental, onde houve 3 mortos e 229 feridos. Welch, encarregado das relações com o Oriente Próximo, disse a jornalistas que o pagamento "remove o último obstáculo para uma relação normal entre os Estados Unidos e a Líbia, e vamos trabalhar nisso de agora em diante". Ele afirmou esperar que em breve o Senado confirme Gene Cretz como novo embaixador dos EUA em Trípoli. A confirmação vinha sendo adiada até que a Líbia depositasse o dinheiro no fundo. (Reportagem de Susan Cornwell)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAINDENIZATERROR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.