Líbia enfrenta crise humanitária, diz Programa Mundial de Alimentos

Conflitos no país causam problemas de abastecimento em áreas de maior nível de insegurança

Reuters

13 de abril de 2011 | 15h27

LONDRES - A Líbia enfrenta uma crise humanitária por causa dos intensos combates entre os rebeldes e as forças do ditador Muamar Kadafi, já que os suprimentos de comida não são reabastecidos de forma adequada, disse na quarta-feira uma agência da Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse mais cedo que até 3,6 milhões de pessoas na Líbia poderão necessitar de assistência humanitária enquanto os rebeldes intensificam sua luta contra o líder líbio Muamar Kadafi.

"A Líbia enfrenta uma crise humanitária depois de um nível sem precedentes de revolta e violência," disse o Programa Alimentar Mundial (PMA) num comunicado. "O futuro do sistema público de distribuição de alimentos subsidiados na Líbia é muito preocupante para o PMA e seus parceiros de segurança alimentar."

 

As agências de ajuda humanitária têm tido dificuldades para chegar até os civis nas cidades de Benghazi e Misrata, onde os moradores e os trabalhadores migrantes enfrentam escassez de alimentos básicos, falta de suprimentos médicos e fornecimento esporádico de água e eletricidade.

 

 

"De acordo com as informações disponíveis, provenientes principalmente das partes orientais do país, a comida que há no país está sendo consumida, sem o devido reabastecimento," disse o PMA. "Isso significa que provavelmente menos comida estará disponível para a população geral, assim como para os grupos vulneráveis, e o número dos que precisam de assistência alimentar pode aumentar drasticamente."

O PMA disse que a informação é de que os portos de Tobruk e de Benghazi, controlados pelos rebeldes, estão plenamente funcionais. "Há a necessidade urgente de que os navios comerciais retomem as operações a esses portos, pois isso facilitará as entregas humanitárias e as importações de itens básicos," afirmou a agência.

Uma embarcação transportando comida suficiente para 40 mil pessoas durante um mês, fretada pelo Programa, chegou a Misrata na semana passada.

"O acesso à Líbia ocidental está limitado e o PMA está preocupado com as áreas que não têm acesso à reposição dos suprimentos básicos," disse, acrescentando que tenta, em conversas com a Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho Líbio, organizar entregas e fornecer assistência humanitária para essas áreas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.