Líbia pede ajuda estrangeira para proteger campos de petróleo dos ataques rebeldes

A Líbia quer a ajuda da comunidade internacional para proteger os campos de petróleo, aeroportos e outras instalações estatais por não ter capacidade de conter os grupos armados que lutam pelo controle desses locais, afirmou o embaixador líbio no Cairo nesta segunda-feira.

ULF LAESSING E AYMAN AL-WARFALLI, REUTERS

25 de agosto de 2014 | 11h23

O apelo veio na esteira dos ataques de rebeldes com mísseis Grad ao aeroporto de Labraq, no leste da Líbia, um dos poucos que ainda funcionam no país, onde a violência entre facções armadas vêm aumentando três anos após a deposição de Muammar Gaddafi.

As potências ocidentais e os vizinhos da Líbia temem que o país membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) se torne um Estado falido ou mergulhe em uma guerra civil depois que ex-rebeldes que ajudaram a depor Gaddafi em 2011 se voltaram uns contra os outros.

As facções rivais transformaram a capital, Trípoli, e a cidade de Benghazi, a maior do leste, em campos de batalha, forçando a Organização das Nações Unidas (ONU) e as embaixadas a retirar seus funcionários e cidadãos.

Autoridades do alto escalão e o Parlamento recém-eleito se mudaram para Tobruk, no extremo leste, para fugir da violência.

"Há formas (possíveis) de intervenção internacional, já que a Líbia é incapaz de proteger suas instituições, seus aeroportos e seus recursos naturais, especialmente os campos de petróleo”, afirmou o embaixador Mohamed Jibril nos bastidores de uma reunião com os vizinhos de seu país, no Egito.

O ministro das Relações Exteriores egípcio, Sameh Shukri, disse no encontro que a Líbia precisa de um cessar-fogo de todos os grupos armados e um diálogo nacional para superar as profundas divisões.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAAJUDAATAQUESREBELDES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.