Líbia pede reunião do Conselho de Segurança para discutir Gaza

A Líbia solicitou na terça-feira uma reunião do Conselho de Segurança para discutir um relatório da ONU que acusa Israel e militantes palestinos de terem cometido crimes de guerra durante o conflito de dezembro e janeiro últimos na Faixa de Gaza, disseram diplomatas.

REUTERS

06 de outubro de 2009 | 20h42

Membros do conselho disseram que o organismo de 15 nações irá realizar consultas a portas fechadas na quarta-feira para estudar se aceitam o pedido da Líbia para um debate formal sobre a questão.

Uma investigação encomendada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, com sede em Genebra, e comandada pelo jurista sul-africano Richard Goldstone concluiu que tanto as forças israelenses quanto os militantes do Hamas cometeram crimes durante o conflito. Mas o relatório foi mais crítico a Israel.

O Conselho de Direitos Humanos deveria ter votado na sexta-feira uma resolução que condenaria Israel por não colaborar com o inquérito e remeteria o caso ao Conselho de Segurança.

Mas a votação foi adiada até março por pressão dos EUA, que quer retomar do processo de paz. Uma fonte oficial palestina disse que a Autoridade Palestina concordou com o pedido de adiamento formalizado por EUA, União Europeia e Rússia.

O porta-voz líbio na ONU Ahmed Gebreel disse que seu país, que atualmente participa do Conselho de Segurança, solicitou a reunião "por causa da seriedade do relatório e porque achamos que esperar até março é tempo demais."

Críticos da Autoridade Palestina acusam o presidente Mahmoud Abbas de decepcionar seu povo ao concordar com o adiamento. Uma declaração da missão de observação palestina na ONU disse apoiar plenamente a solicitação líbia por uma reunião do Conselho de Segurança.

O poder de veto dos EUA no Conselho de Segurança na prática impede qualquer ação ou declaração do Conselho que seja hostil a Israel, que tem no governo norte-americano o seu maior aliado.

(Reportagem de Patrick Worsnip)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAONUGAZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.