Líbia pede reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU

Coalizão formada por EUA, França, Reino Unido, Canadá e Itália atacou neste sábado as forças do ditador líbio, Muamar kadafi

Estadao.com.br,

19 Março 2011 | 20h46

A Líbia pediu neste sábado, 19, uma reunião urgente com o Conselho de Segurança da ONU após o início da operação militar internacional contra o regime do ditador Muamar Kadafi. A informação consta em nota do Ministério das Relações Exteriores do país, divulgada pela agência oficial Jana.

 

"A Libia, como um Estado independente e membro das Nações Unidas, pediu a celebração de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU após o ataque da França, Grã-Bretanha e Estados Unidos", afirma o comunicado.

 

A nota considera ainda que "se trata de uma agressão que ameaça a paz e a segurança internacionais" e assegura que foram registradas vítimas civis e danos em hospitais e aeroportos.

 

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

O governo líbio também afirmou neste sábado que considera nula a resolução 1973 da ONU que impõe uma exclusão aérea, após a operação militar ocidental, e reforçou seu direito de utilizar novamente a sua aviação.

  

Uma coalizão formada por EUA, França, Reino Unido, Canadá e Itália ampliou os ataques contra as forças de kadafi neste sábado. Segundo o Pentágono, as Marinhas dos Estados Unidos e do Reino Unido lançaram mais de 110 mísseis  do tipo Tomahawk vindos de submarinos posicionados no Mar Mediterrâneo para destruir 20 alvos de defesa antiaérea do coronel nas cidades de Misrata e Trípoli. A operação foi batizada de 'Odisseia da Alvorada' (Odissey Dawn, em tradução livre). 

 

(Com Efe e agências internacionais)

Mais conteúdo sobre:
KadafiLíbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.