Líbios votam em novas eleições parlamentares para processo de transição

Líbios começaram a votar para a constituição de um novo Parlamento, nesta quarta-feira, em uma eleição que as autoridades esperam que reduzirá a desordem que tem prejudicado o país desde a queda de Muammar Gaddafi há três anos.

REUTERS

25 de junho de 2014 | 10h14

No entanto, por volta de meio-dia apenas 13 por cento dos eleitores tinham aparecido nas seções eleitorais.

A votação é outra medida disciplinar na transição da Líbia após décadas do governo de apenas um homem, mas ocorre num momento em que o país caminha em direção ao caos, após um renegado general do Exército ter aberto uma campanha contra militantes islâmicos no leste do país.

O comparecimento às urnas deve ser menor do que foi em 2012, após a comissão eleitoral ter implementado regras mais rígidas. Cerca de 1,5 milhão de eleitores foram registrados, quase metade dos 2,8 milhões das eleições de julho de 2012, no primeiro sufrágio livre da Líbia em 40 anos.

O país precisa desesperadamente de um governo e um Parlamento operacionais para tentar impor a autoridade sobre rebeldes fortemente armados, milícias e tribos que ajudaram a depor Gaddafi, mas que agora desafiam o poder do Estado e mantêm áreas sob seu controle.

A Líbia também está lutando contra uma crise orçamentária. Uma onda de protestos em campos de petróleo e portos por parte de milícias armadas reduziu a produção petrolífera, principal atividade econômica do país.

Mais conteúdo sobre:
LIBIAELEICAOPARLAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.