Líder da oposição do Irã participará de orações na sexta-feira

Ocasião será marcada pela primeira aparição pública ofical de Mousavi após eleições de junho

Reuters,

14 de julho de 2009 | 13h34

O líder opositor do Irã, o reformista Mirhossein Mousavi, comparecerá nesta semana de orações na sexta-feira, 17, em sua primeira aparição pública oficial desde a contestada eleição presidencial do mês passado, informou um jornal iraniano nesta terça-feira, 14.

 

Segundo o diário Etemad, as orações na Universidade de Teerã serão lideradas pelo ex-presidente Akbar Hashemi Rafsanjani, um rival do presidente ultraconservador reeleito Mahmoud Ahmadinejad e um dos quatro líderes das orações de sexta-feira em Teerã.

 

Outro ex-presidente e apoiador de Mousavi, o reformista Mohammad Khatami, também estará presente, segundo o jornal. O diário informou ainda que Mousavi pediu a seus partidários que comparecessem ao sermão.

 

O líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei, sustentou a esmagadora vitória de Ahmadinejad em seu sermão de sexta-feira uma semana após a eleição. Mas Mousavi denunciou fraude no pleito, afirmando que a permanência de Ahmadinejad no poder é "ilegítima".

 

A eleição presidencial gerou dias de protestos nas ruas por apoiadores de Mousavi e expôs profundas divisões na liderança da República Islâmica. A mídia estatal relatou ao menos 20 mortos nos protestos. Mousavi e as autoridades acusam-se mutuamente pelo derramamento de sangue.

 

O lide opositor pediu às autoridades que libertem centenas de pessoas, incluindo líderes reformistas, jornalistas, ativistas e advogados detido durante os protestos.

 

Posse de Ahmadinejad

 

A cerimônia de posse de Ahmadinejad deve ocorrer entre os dias 2 e 6 de agosto, informou a agência de notícias ISNA citando o vice-presidente do Parlamento iraniano, Mohammad Reza Bahonnar.

 

Segundo o veículo, o resultado das eleições será oficialmente validado pelo aiatolá Khamenei e, no dia seguinte, o atual presidente, que cumprirá seu segundo mandato, fará um juramento ante o Parlamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.