Líder do Hamas diz que conquistou 'grande vitória' em Gaza

Para Khaled Meshaal, grupo islâmico venceu porque 'inimigo declarou cessar-fogo sem impor condições'

Efe,

21 de janeiro de 2009 | 19h18

O líder do Hamas, Khaled Meshaal, afirmou nesta quarta-feira, 21, que seu grupo conquistou uma "grande vitória na batalha de Gaza contra o inimigo sionista, que teve de declarar um cessar-fogo sem impor condições para a resistência". Em um pronunciamento transmitido pela televisão Al Jazeera, Meshaal comentou a situação na Faixa de Gaza, após a retirada israelense que foi concluída nesta quarta. Veja também:Exército israelense conclui retirada militar de GazaChefe da ONU pede inquérito em Gaza Especial traz mapa com principais alvos em Gaza  Linha do tempo multimídia dos ataques em Gaza Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos  Veja imagens de Gaza após os ataques     "O inimigo fracassou no campo de batalha e na política", afirmou Meshaal, que vive em Damasco. O chefe do escritório político do Hamas, que controla a Faixa de Gaza, explicou que o fato de Israel interromper sua ofensiva três semanas após seu início, em 27 de dezembro, sem impor condições, é uma vitória para a resistência palestina. Além disso, para Meshaal, Israel também fracassou no plano político porque tentou, antes de lançar a operação militar, convencer o Hamas por meios diplomáticos a deixar as armas e aceitar uma trégua permanente, condições que o grupo palestino rejeitou. "A batalha de Gaza é um ponto de partida com o inimigo e fixa as bases para uma estratégia séria para libertar (os territórios), começando pela Palestina e continuando no resto da nação", acrescentou Meshaal. Além disso, considerou que os "massacres" cometidos por Israel em Gaza são tentativas do "inimigo de cobrir seu fracasso contra a resistência". "Esta foi a primeira guerra grande e verdadeira que os palestinos vencem em seu próprio território", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
HamasGazaIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.