Líder interino da Líbia faz discurso histórico em Trípoli

O chefe de governo provisório da Líbia, Mustafa Abdel Jalil, fez na segunda-feira seu primeiro discurso em Trípoli, para um público de cerca de 10 mil pessoas, num sinal da crescente confiança dos ex-rebeldes.

ALEXANDER DZIADOSZ E WILLIAM MACLEAN, REUTERS

12 Setembro 2011 | 20h14

Abdel Jalil chegou a Trípoli no sábado pela primeira vez desde que seus aliados expulsaram Muammar Gaddafi da cidade. Analistas dizem que a ida dele à capital é crucial para a sua credibilidade.

O presidente do Conselho Nacional de Transição (CNT) pediu aos combatentes do movimento que não façam represálias contra remanescentes do regime de Gaddafi, que passou 42 anos no poder e agora está foragido.

Repetindo um apelo feito anteriormente, ele também disse que a "sharia" (lei islâmica) deve ser a principal fonte da legislação da nova Líbia.

"Precisamos abrir as cortes a quem tiver feito mal ao povo líbio de alguma maneira. O Judiciário irá decidir", disse ele à multidão. "Buscamos o Estado de direito, a prosperidade, e que a 'sharia' seja a principal fonte para a legislação, e isso exige muitas coisas e condições."

Abdel Jalil vinha governando a partir da cidade de Benghazi (leste), berço da revolução. Funcionários do CNT disseram à Reuters que não divulgaram antecipadamente a aparição pública do dirigente por medo de que elementos pró-Gaddafi tentassem perturbar o evento.

Parte da hesitação para a chegada de Abdel Jalil a Trípoli se deve a antigas rivalidades regionais e à sensação de que Trípoli poderia não ser um lugar seguro para todos os funcionários do novo governo.

O CNT tem um cronograma estabelecendo planos para uma nova Constituição e a realização de eleições dentro de 20 meses, mas ele só começará a ser executado quando o CNT declarar que toda a Líbia está "liberada". Não está claro, no entanto, o que os grupos díspares envolvidos no combate a Gaddafi entendem por "liberação".

Forças leais a Gaddafi ainda controlam várias partes do sul do país e três cidades relevantes - Bani Walid, Sirte e Sabha. "Estamos apostando que nossos irmãos nessas cidades irão cumprir as expectativas, e os veremos fazê-lo logo", disse Abdel Jalil.

(Reportagem adicional de Joseph Nasr em Berlim)

Mais conteúdo sobre:
LIBIALIDERDISCURSO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.