Líder interino líbio diz que 'batalha não acabou' e pede união

Em sua primeira visita a Trípoli desde o início da guerra civil, o chefe do governo interino da Líbia, Mahmoud Jibril, advertiu os aliados que ajudaram a derrubar o regime de Muammar Gaddafi que não devem começar com "jogos políticos uns contra os outros" enquanto os seguidores do ex-líder líbio não forem completamente derrotados.

REUTERS

08 Setembro 2011 | 14h32

"Esta é uma fase em que temos que nos unir e ficar juntos", disse ele em entrevista coletiva à imprensa. "Assim que a batalha tiver terminado... o jogo político pode começar."

Jibril fez uma aparente ameaça de renunciar se emergirem disputas internas no movimento que derrubou Gaddafi.

"Alguns fizeram tentativas de iniciar um jogo político antes de se chegar a um consenso sobre as regras", declarou Jibril, acrescentando que a prioridade do novo governo era encerrar a batalha contra as forças de Gaddafi.

"Se nós descobrirmos que não estamos em terreno comum, então eu recuarei", afirmou.

(Reportagem de Mohammed Abbas e Alastair Macdonald)

Mais conteúdo sobre:
LIBIA PREMIE DISCORDIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.