Líder iraniano acusa Bush de fazer campanha de ódio

O líder supremo do Irã, aiatolá AliKhamenei, acusou o presidente dos Estados Unidos, George W.Bush, de tentar semear o ódio aos iranianos por ter dito nasemana passada que o país tinha colocado a região "sob a sombrade um holocausto nuclear". Países do Ocidente suspeitam que o Irã possua um programanuclear secreto para desenvolver bombas atômicas. O Irã diz queseu programa atômico só visa a gerar energia elétrica, erejeita as exigências da ONU para que interrompa o trabalho comcombustíveis nucleares. De acordo com a agência estatal Irna, Khamenei disse queBush fez comentários "cheios de ódio, arrogantes e violentos." "A nação iraniana resistiu e vai resistir ... Jamais vai securvar à coerção na questão nuclear e em outros problemas",disse Khamenei, a principal autoridade da República islâmica. O Conselho de Segurança da ONU impôs duas rodadas desanções ao Irã desde dezembro, e os Estados Unidos já disseramque vão pressionar por uma terceira rodada se o Irã não pararde enriquecer urânio. O enriquecimento de urânio é a parte do programa iranianoque mais preocupa os países do Ocidente, porque o material podeser usado em ogivas nucleares. Os EUA afirmam que querem acabar com o impasse peladiplomacia, mas não descartam uma ação militar. Autoridadesnorte-americanas já disseram que pretendem classificar asGuardas Revolucionárias do Irã como um grupo terrorista. "Os inimigos aumentaram o nível das ameaças, mas deviamsaber que uma organização como as Guardas Revolucionárias, quegozam de apoio popular, não pode ser destruída", disse MohammadAli Jafari, recém-nomeado comandante das guardas. O Irã minimizou as ameaças dos EUA, pedindo que o país tiresuas tropas do Iraque. "Recomendamos que eles ... deixem aregião o mais rápido possível e mantenham suas relações com oIslã e com os países da região a certa distância", disseJafari, segundo a Isna, em suas primeiras declarações desde suanomeação. Khamenei anunciou o nome de Jafari no sábado para chefiaras guardas, uma força de base ideológica que se consideraguardiã da República islâmica. As guardas têm uma estrutura decomando independente das Forças Armadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.