Líder palestino apresenta plano de criação de Estado em 2011

Declaração da nação palestina seria uma decisão unilateral e não viria de negociações de paz com Israel

Efe,

25 de agosto de 2009 | 09h13

O primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Salam Fayyad, apresentou nesta terça-feira, 25, um plano para criar um Estado palestino em 2011, que seria declarado de forma unilateral e não seria resultado de negociações de paz com Israel.

 

"Temos que tomar a iniciativa. Sabemos o que temos que fazer e devemos ser capazes de criar nosso Estado porque Israel nunca tomará a iniciativa por nós", disse Fayyad em coletiva de imprensa na cidade Cisjordânia.

 

"Nosso projeto nacional é um projeto de libertação", afirmou Fayyad, para quem os palestinos "não precisam esperar uma postura israelense a respeito" já que "são a potência ocupante".

 

Para o primeiro-ministro palestino, os passos a serem seguidos neste momento são tomar a iniciativa, escolher o melhor momento e, enquanto isso, criar circunstâncias que facilitem o nascimento do Estado palestino. "Temos que dedicar os próximos dois anos a construir um Estado", disse o chefe de governo, que apontou também que "em janeiro de 2010 haverá eleições gerais, como estabelece a Constituição".

 

O documento apresentado por Fayyad destaca a necessidade do desenvolvimento econômico dos territórios palestinos e apresenta propostas como a construção e a melhora de infraestruturas, incluindo a criação de um aeroporto na Cisjordânia dentro dos padrões internacionais. "Precisamos de muito dinheiro para investimento e desenvolvimento e trabalharemos para conseguir isso", disse o primeiro-ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.