Líder supremo do Irã pede que Ahmadinejad destitua vice

Ordem é revés para o presidente, que defendeu nomeação de Mashaie; vice disse que era amigo de israelenses

22 de julho de 2009 | 09h07

Em um raro indicio de divisão na cúpula conservadora do país, o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, ordenou que o presidente Mahmoud Ahmadinejad demita sua escolha controversa para a vice-presidência, segundo afirmou nesta quarta-feira, 22.

 

Veja também:

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: Conflito eleitoral divide o Irã

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

A ordem é um humilhante revés para Ahmadinejad, que defendeu energicamente sua decisão de nomear Esfandiar Rahim Mashaie, sogro de seu filho, como vice-presidente. Mashaie enfureceu os conservadores do país ano passado ao dizer que os iranianos eram "amigos de todos os povos do mundo, incluindo os israelenses". Na ocasião, Mashaie era vice-presidente responsável pelo Turismo. O país tem 12 vice-presidentes, mas o primeiro é o mais importante, pois lidera as reuniões de gabinete na ausência do presidente.

 

Ahmadinejad ainda enfrenta uma crise política no país por conta das acusações da oposição de que sua reeleição foi fraudada. O líder supremo deu pleno respaldo ao presidente, considerado seu protegido, no pleito de 12 de junho. "A opinião do exaltado líder de tirar Mashaie do posto de vice-presidente foi notificada a Ahmadinejad foi escrito", disse a agência semioficial Fars.

 

Ainda não está claro se Ahmadinejad acatará a ordem de Khamenei, que tem a palavra final sobre todos os assuntos de Estado do Irã. Outra agência semioficial, a Isna, diz que o vice-presidente do Parlamento, Mohammad Hasan Aboutorabi-Fard, afirmou que a saída de Mashaie é uma decisão do sistema de governo em si.

Tudo o que sabemos sobre:
Irã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.