Líderes árabes não mencionaram armas nucleares de Israel durante cúpula

Netanyahu não compareceu a reunião com temores de que Egito e Turquia se referissem a seu arsenal atômico não declarado

13 de abril de 2010 | 19h48

WASHINGTON- Nem o Egito nem a Turquia criticaram Israel na Conferência de Segurança Nuclear, como o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, havia temido, disseram delegados nesta terça-feira, 13.

 

Veja também:

linkObama pede que mundo seja 'audaz e veloz' em sanções contra Teerã

linkCúpula fecha acordo para controlar material nuclear

linkCúpula rende acordos específicos sobre gestão de material nuclear

 

Netanyahu cancelou na semana passada sua presença na reunião de 47 países, e seus assessores citaram preocupações de que potências árabes ou muçulmanas poderiam aproveitar a participação de Israel no fórum para atacar o suposto arsenal atômico não declarado do Estado judeu. Eles nomearam especificamente a Turquia e o Egito.

 

Mas membros da delegação de Netanyahu, como o representante do premiê, Dan Meridor, afirmaram que não houve alegações dos egípcios ou turcos durante os dois dias de cúpula.

 

Uma transcrição de um discurso planejado para a cúpula do chefe da delegação egípcia, o ministro de Relações Exteriores, Ahmed Aboul Gheit, aparentemente aludia a Israel a clamar por inspeções internacionais de materiais nucleares. Israel refutou essas regulações ao não assinar o Tratado de não-proliferação Nuclear.

 

A Arábia Saudita foi mais explícita em seu pronunciamento planejado. Seu delegado, o príncipe Mugrin bin Abdel-Aziz al-Saud, qualificou as armas nucleares israelenses como "um obstáculo fundamental para alcançar segurança e estabilidade no Oriente Médio", de acordo com uma transcrição de seus discurso.

 

Os Estados Unidos expressaram compreensão pela ausência de Netanyahu, mas especialistas israelenses acusaram o premiê de tentar evitar um encontro face a face com Obama após congelar as conversações de paz com os palestinos.

 

Israel não confirma nem nega ter as únicas armas nucleares da região, com a justificativa de que sua revelação de ter tais armamentos pode provocar uma corrida armamentista com inimigos da região.

 

Saiba mais

especialOs últimos eventos da crise nuclear

linkSaiba mais sobre o TNP

linkO que está em jogo no encontro

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelEgitoarsenalnuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.