Líderes de forças xiitas do Iraque assinam pacto de não agressão

Moqtada al-Sadr e Abdel Aziz al-Hakim firmam acordo um mês e meio depois que combates causaram 50 mortes

Efe

06 de outubro de 2007 | 16h02

Os líderes xiitas, Moqtada al-Sadr, da milícia Exército Mehdi, e Abdel Aziz al-Hakim, chefe da Assembléia Suprema Islâmica Iraquiana (ASII), assinaram neste sábado, 6, um acordo no qual se comprometem a parar o derramamento de sangue em Bagdá. "É necessário preservar o sangue iraquiano sob qualquer circunstância. Seu derramamento é contra todas as leis e códigos éticos", diz o acordo, divulgado neste sábado. Graças a este pacto, a imprensa e as instituições culturais leais a estes grupos concentrarão seus esforços para construir pontes entre as duas forças xiitas. Além disso, as duas partes definiram um "comitê supremo conjunto com ramos em todas as províncias iraquianas, que será responsável por resolver os problemas e supervisionar o início do tratado". Este acordo acontece um mês e meio depois dos fortes combates entre militantes dos dois grupos na cidade de Karbala, nos quais mais de 50 pessoas morreram durante as celebrações de uma importante peregrinação xiita. Dias depois destes confrontos, Sadr decretou a paralisação das ações violentas do Exército Mehdi por seis meses. Nesta semana, um porta-voz da ASII informou que Hakim se recuperou completamente de um câncer de pulmão do qual foi tratado no Irã. O Bloco Sadr e a ASII eram os dois principais pilares da Aliança Unida Iraquiana, o grupo majoritário no Parlamento. No entanto, há duas semanas, o partido de Sadr anunciou, de surpresa, sua saída desta coalizão de partidos xiitas. Um porta-voz do Bloco Sadr atribuiu o abandono à "ineficácia dessa aliança e o domínio exercido sobre ela por alguns partidos", que não foram especificados.

Tudo o que sabemos sobre:
iraquemoqtada al-sadrxiitaacordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.