Líderes judeus criticam Brasil por visita de Ahmadinejad

Grão rabino de Israel diz que é 'triste saber que País receberá homem que disse querer destruir nossa nação'

Reuters,

20 Outubro 2009 | 20h02

Líderes judeus criticaram nesta terça-feira, 20, os planos do Brasil de receber no próximo mês, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, e pediram ao País que condene seu suposto apoio a terroristas. O Brasil, que tem defendido o diálogo com o Irã, receberá Ahmadinejad no final de novembro.

 

Veja também:

link Ahmadinejad volta a afirmar que Holocausto é um 'mito'

linkAhmadinejad tem orgulho de causar raiva ao negar o Holocausto

 

"É muito triste para nós saber que o Brasil vai receber um homem que disse publicamente que quer destruir o nosso país", disse o grão rabino de Israel, Yoná Metzger, após se reunir com José Sarney (PMDB-AP), presidente do Senado.

 

Metzger, que participou de um seminário religioso na capital Brasília, pediu às autoridades brasileiras que cancelem a visita do presidente do Irã.

 

O Centro Simon Wiesenthal, uma organização judia de direitos humanos, disse que o Brasil deveria usar a visita para condenar o que descreveu como retórica antissemita de Ahmadinejad.

 

"O Brasil terá a oportunidade de condenar seus perigosos chamados à destruição de Israel, suas negações do Holocausto e seu apoio ao terrorismo internacional", disse Shimon Samuels e Sergio Widder, membros da divisão latinoamericana do Centro Simon Wiesenthal em Buenos Aires, em uma carta enviada ao chanceler brasileiro, Celso Amorim.

 

Ambos os ativistas asseguraram por meio de um e-mail que o Irã acolheu terroristas envolvidos em um ataque terrorista a um centro comunitário judeu em Buenos Aires em 1994.

 

O Brasil está com seu poder diplomático em alta e busca um posto permanente no Conselho de Segurança da ONU. O país tem adotado um linha muito mais conciliadora em relação ao Irã que seus aliados ocidentais, incluindo os Estados Unidos.

 

No mês passado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva conclamou líderes ocidentais a parar de pressionar o Irã por causa de seu programa nuclear e, ao invés disso, conversar com o país do oriente médio para buscar a paz.

 

Espera-se que o presidente de Israel, Shimon Peres, visite o Brasil este ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.