Lieberman alerta para influência do Irã na América Latina

No Peru, chanceler de Israel diz que Teerã tenta desenvolver 'atividades terroristas' na região e critica Chávez

Efe,

29 de julho de 2009 | 16h52

O chanceler de Israel, Avigdor Lieberman, voltou a advertir que a influência do Irã em vários países da América do Sul é "bastante perigosa". Em entrevista divulgada nesta quarta-feira, 29, pela imprensa peruana, Lieberman diz que os iranianos estão tentando "desenvolver atividades antidemocráticas e terroristas."

 

O chanceler citou como exemplo o governo do presidente venezuelano Hugo Chávez, que segundo ele "trata de influenciar vários países vizinhos". Na entrevista ao diário "El Comercio", o chanceler israelense diz ainda que "a Bolívia está fazendo o mesmo."

 

"Chávez é uma pessoa que está negando totalmente o acesso à livre expressão e informação. Não é uma casualidade que ele tenha regulado a Constituição para que seja eleito até a infinidade", comentou. Lieberman visitou Lima no domingo e na segunda-feira, como parte de uma viagem sul-americana que também o levou a Brasil, Argentina e Colômbia.

 

No Brasil, Lieberman se reuniu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no que disse ter sido um encontro "muito bom" apesar das diferenças de opinião. O chanceler explicou que não viajou para Caracas, La Paz e Quito porque "Venezuela e Bolívia cortaram relações diplomáticas" com Israel e porque o ministro de Infraestrutura do Irã, Binyamin Ben-Eliezer, vai viajar em breve ao Equador.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelIrãAmérica Latina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.