Khaled Elfiqi/EFE
Khaled Elfiqi/EFE

Liga Árabe aprova apoio dos EUA para criação de Estado palestino

Líder do grupo pede 'políticas novas e equilibradas' de Washington para o Oriente Médio

Reuters

20 de maio de 2011 | 12h13

CAIRO - O líder da Liga Árabe, Amr Moussa, pediu nesta sexta-feira, 20, ao presidente americano, Barack Obama, que persista em seu apoio a um Estado palestino desmilitarizado baseado nas fronteiras de 1967, relatou a agência de notícias estatal egípcia Mena. A proposta de Obama para a resolução do conflito no Oriente Médio foi feita na quinta-feira e gerou críticas de Israel.

 

Veja também:

blog Chacra: Obama define sua paz para Israel e palestinos

lista Leia: A íntegra do discurso de Barack Obama

especialInfográfico: Os principais pontos da fala de Obama

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

"A questão palestina está no cerne da instabilidade no Oriente Médio", disse Moussa, solicitando aos EUA que ajam "nas próximas semanas e nos próximos meses para estabelecer um Estado palestino baseado nas fronteiras de 1967 tendo Jerusalém oriental como sua capital".

 

O apoio de Obama à exigência central dos palestinos sobre as fronteiras de um futuro Estado com Israel marca uma mudança de política, mas não proporcionou medidas claras para um acordo de paz. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que a proposta de Obama deixaria seu Estado "indefensável".

"Os interesses dos EUA estão interconectados com as profundas transformações que a região testemunha", teria dito Moussa, descrevendo a mudança como uma oportunidade para os EUA adotarem "políticas novas e equilibradas". "Deve haver equilíbrio na conversa sobre segurança de todas as partes, e não somente a segurança de Israel, sem atenção com a segurança de outros", acrescentou.

Obama criticou o plano palestino de buscar o reconhecimento de seu Estado na Assembleia Geral da ONU, mas Moussa declarou nesta sexta-feira que qualquer tentativa de levar a questão palestina a fóruns internacionais é "uma medida legítima".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.