Liga Árabe teme que crise leve Líbano à estaca zero

A crise política no Líbano pode se deteriorar ainda mais, e todos os envolvidos devem se empenhar calmamente na busca por uma solução que contemple o bom funcionamento da Justiça, disse na quinta-feira o secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa.

ANDREW QUINN, REUTERS

13 de janeiro de 2011 | 09h37

"Não queremos que o Líbano volte à estaca zero", disse Moussa a jornalistas em Doha, onde participa de uma reunião regional. "Pensávamos que ele já havia deixado esse estágio há vários anos."

Moussa falou após o Hezbollah e seus aliados derrubarem o governo libanês, que insistia em cooperar com um tribunal da ONU que investiga a morte do ex-premiê Rafik al Hariri, ocorrida em 2005.

O dirigente disse estar em consultas com os países da região, e cogita convocar uma reunião especial da Liga Árabe para discutir a crise libanesa.

Ecoando o que disse a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, também em visita à região, Moussa afirmou que é importante permitir que o tribunal especial realize seu trabalho. O Hezbollah teme que alguns de seus membros sejam indiciados pela morte de Hariri, e Moussa sugeriu que isso poderia inflamar ainda mais as tensões.

"O tribunal deve estar acima da polícia, e Justiça deve ter a palavra final, e o Líbano deve ter um governo", afirmou Moussa. "Mas, como já esperamos vários anos, por que não mais seis meses a fim de desarmar a situação... Ela é muito ameaçadora."

Moussa ressaltou, no entanto, que a morte de Hariri não pode ficar impune. "Houve um crime, e o crime deve ser investigado, e os criminosos devem ser punidos."

A coalizão libanesa já dava sinais de instabilidade há muito tempo, e Moussa disse que as divisões entre os partidos do país parecem mais profundas do que nunca.

Na quarta-feira, Hillary declarou que a queda do governo libanês era uma clara tentativa de subverter o funcionamento da Justiça na investigação da morte de Hariri, que era pai do primeiro-ministro agora derrubado, Saad al Hariri.

Moussa disse que preferia evitar tais termos, para não exacerbar a situação. "Está ruim, está tensa, está ameaçadora. Portanto, vou evitar descrever a situação, e sim me concentrar em como resolver o problema."

(Por Andrew Quinn)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBANOCRISE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.