Likud busca ampliar coalizão com extrema direita

Na terça-feira, partido de Netanyahu fechou acordo com o Partido Trabalhista, liderado por Ehud Barak

Efe,

25 de março de 2009 | 06h52

O Likud, de Benjamin Netanyahu, se reunirá nesta quarta-feira, 25, com a equipe negociadora do partido de extrema direita União Nacional para tentar ampliar sua coalizão de Governo, que já conta com os trabalhistas.

 

Para começar a fazer parte da coalizão governamental, a União Nacional exige um Ministério que dê responsabilidades para o desenvolvimento de infraestruturas comunitárias nas comunidades israelenses nas regiões de Galiléia e Neguev e nos assentamentos da Cisjordânia, como informa o diário "Ha'aretz".

 

Apesar do pacto alcançado na terça-feira com o Partido Trabalhista, liderado pelo ministro da Defesa, Ehud Barak, os votos da União Nacional podem ser fundamentais para a formação do Executivo de Netanyahu, já que sete deputados trabalhistas mostraram ressalvas sobre uma aliança com o direitista Likud.

 

Por enquanto, às 27 cadeiras obtidas nas últimas eleições pelo Likud, Netanyahu conseguiu somar 15 deputados do ultradireitista Yisrael Beiteinu, outros 11 do partido ultra-ortodoxo sefardita Shas, mas não pode contar com o apoio absoluto dos 13 trabalhistas com presença parlamentar, o que não lhe garante a maioria dos 62 votos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.