Lula diz acreditar em explicações do Irã para nova usina nuclear

'Já vimos essa história', afirma presidente, comparando episódio com invasão do Iraque; Ahmadinejad virá ao País

Nalu Fernandes, da Agência Estado, Agencia Estado

25 de setembro de 2009 | 21h01

Ao se referir às acusações internacionais de que o programa nuclear do Irã tem fins militares, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira, 25, que continuará acreditando que nas afirmações do presidente Mahmoud Ahmadinejad. "Já vimos essa história. O embaixador brasileiro dizia que o Iraque não tinha armas químicas, fizeram a guerra dizendo que tinha e até agora não apresentaram as armas químicas ao mundo", comparou.

 

Veja também:

linkObama diz preferir diálogo com Irã, mas não descarta opção militar

linkIrã dará provas de programa nuclear pacífico, diz Rússia

video TV Estadão: Irã pode expor Oriente Médio com nova usina

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Lula argumenta que o Brasil defende para o Irã o mesmo que defende para si: "Desenvolver energia nuclear para fins pacíficos. Se o Irã ou outro país tiver energia nuclear para dar o segundo passo de ter armas nucleares, o Brasil é frontalmente contra. O Brasil não concorda", disse.

O presidente brasileiro classificou a conversa com o Irã como "muito importante", diante da visita prevista do iraniano em novembro e a expectativa de que o próprio Lula vá a Teerã. "Temos uma boa relação comercial", acrescentou, e o objetivo é incrementá-la. "Nós não abrimos mão da nossa soberania de ter relações com quem quisermos."

Ao conversar com os presidentes de França e EUA, além do próprio iraniano Ahmadinejad, Lula afirmou ter enfatizado para todos a necessidade de estabelecimento de diálogo. Na conversa com o presidente do Irã, Lula recomendou que era extremamente importante que ele procurasse o Obama e conversasse olho no olho, e vice-versa.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.