Tara Todras-Whitehill/AP
Tara Todras-Whitehill/AP

Lula pede mais interlocutores no diálogo entre israelenses e palestinos

Presidente é recebido por colega israelense Shimon Peres em sua primeira parte da visita ao Oriente Médio

Denise Chrispim Marin, de O Estado de S. Paulo,

15 de março de 2010 | 08h19

O presidente Lula disse que as negociações de paz entre Israel e a Autoridade Nacional Palestina (ANP) são uma "tarefa difícil" e por isso deveriam contar com mais interlocutores, como o Brasil. As declarações de Lula foram dadas na manhã desta segunda-feira, 15, em entrevista coletiva com o presidente israelense, Shimon Peres, em Israel, primeira parada da viagem do brasileiro ao Oriente Médio.

 

Veja também:

linkBrasil vê brecha em crise entre EUA e Israel

linkProblema não é de falta de mediadores, diz vice-chanceler

linkIsrael seguirá construindo casas em Jerusalém Oriental, diz Netanyahu

linkArtigo: O jogo perigoso de Israel

 

Com palavras diplomaticamente calibradas, Lula iniciou sua visita oficial a Israel mencionando propósito de incluir novos mediadores, entre os quais o Brasil, nas negociações entre israelenses e palestinos. Ao ser recebido por Peres, na residência oficial, Lula afirmou que viajou para "falar de paz". Baseando-se na história pacífica do Brasil, Lula disse ser "importante que se envolva mais gente e se converse mais" sobre o diálogo na região.

 

"A arte da política é vencer coisas que parecem impossíveis. A política é a arte do impossível", afirmou Lula, ao lado de Peres. "Não acredito que exista outro país no planeta que ame e que exerça tanto a paz como o Brasil. A paz tem um preço incomensurável para nós", completou.

 

Ao receber Lula, Peres assinalou que o processo de paz não foi rompido, apesar da recente crise entre EUA e Israel em torno do anúncio por parte do Estado judeu da expansão de assentamentos em territórios palestinos. O israelense também fez questão de assinalar que seu país receberia a contribuição do governo brasileiro para o processo de paz, mas em nenhum momento fez alusão à pretensão de Lula de atuar como mediador.

 

"Sei que o senhor traz uma mensagem em favor da paz. A sua contribuição será bem recebida", afirmou Peres. "Pode haver crise, mas não haverá rompimento do processo de paz em si. Vamos superar a crise porque esse processo já está sendo construído e negociado", acrescentou.

 

Em seu curto pronunciamento de boas-vindas, Peres fez seguidos elogios a Lula e chegou a qualificar o brasileiro como "César" - uma referência abrangente e sem justificativa aos governantes romanos. "O senhor é um César. É um presidente que leva a esperança de paz. O mundo olha para o senhor e vê esperança e sonho, que o senhor transformou em feitos", afirmou.

 

Peres também ressaltou a gestão de Lula no Brasil, dizendo que o presidente deixou "um novo legado à democracia" do País, que tem uma "história exemplar".

 

VÍRUS DA PAZ

 

Lula exaltou suas habilidades diplomáticas e disse a Peres que carrega o "vírus da paz". "Eu acho que o vírus da paz está comigo desde que estava no útero da minha mãe. Não me lembro do dia em que briguei com alguém", disse.

 

No discurso de improviso, Lula exibiu suas credenciais como uma espécie de especialista no diálogo. Mencionou, por exemplo, um encontro com o ex-presidente George W. Bush em 2003 em que o presidente brasileiro disse que o Iraque não era um problema do Brasil e que sua prioridade era combater a miséria. "Pensei que teria animosidade na minha relação com o presidente Bush. Como fui sindicalista a vida inteira, imaginava que ia brigar muito com os EUA. Eis que o presidente Bush terminou o mandato e eu vou terminar o meu sem que tenhamos tido nenhuma divergência. Quando tivemos, resolvemos por telefone", disse.

 

Lula mencionou também o primeiro discurso de Evo Morales ao assumir a presidência da Bolívia. "O primeiro discurso foi tomar a Petrobrás. Mas entendemos que o gás era um direito da Bolívia, um patrimônio do povo boliviano e fizemos um acordo com a Bolívia", lembrou. "Tinha gente que queria que o Brasil fosse duro com a Bolívia. Talvez por causa da minha origem, não conseguia perceber como um metalúrgico de São Paulo ia brigar com um índio boliviano. Dialogamos e hoje estamos numa relação excepcional", resumiu.

 

AGENDA

 

Lula ainda deve se encontrar com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e outras autoridades durante sua visita a Israel. Na terça-feira, 16, o presidente segue para Belém, na Cisjordânia, onde se reunirá com o presidente da ANP, Mahmoud Abbas. Depois, visitará Ramallah, onde depositará uma coroa de flores no túmulo do líder palestino Yasser Arafat, que morreu em 2004.

 

(Com informações das agências Efe, BBC e do estadao.com.br)

Tudo o que sabemos sobre:
LulaPeresIsraelvisitadiplomacia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.