Maior bloco sunita do Iraque diz que pode retornar ao governo

O principal bloco sunita do Iraqueafirmou nesta segunda-feira que está pronto para regressar àbase liderada pelo primeiro-ministro xiita Nuri al-Maliki, numatentativa de restabelecer o governo de coalizão nacional queentrou em ruína no ano passado. O vice-presidente do país, Tareq al-Hashemi, um sunita quelidera o maior partido político da Frente da Concórdia, deusinais de estar disposto a chegar a um novo acordo, após oParlamento do país ter votado, no sábado, uma lei permitindoque ex-membros do Partido Baath, ligado a Saddam Hussein,assumam cargos públicos. Essa era uma demanda antiga dossunitas. A saída da Frente da Concórdia do governo de Maliki, emagosto, prejudicou os esforços feitos para aproximar doprocesso político os sunitas, minoritários no Iraque mas quedominavam o país durante o governo de Saddam. "A frente está pronta para regressar ao governo. Noentanto, como afirmei anteriormente, temos algumas exigências evamos nos reunir com o primeiro-ministro hoje a fim de sabermoso que ele conseguiu a respeito dessas exigências. Estamos maisflexíveis", afirmou Hashemi. O líder sunita deu essas declarações em uma entrevistacoletiva realizada em Bagdá ao lado de Abdul-Aziz Hakim, líderdo Supremo Conselho Islâmico Iraquiano, o partido xiita maispoderoso do país. A Frente da Concórdia saiu do governo prometendo regressarapenas quando suas demandas fossem atendidas. Entre elas,incluem-se uma maior representação sunita no governo e nasForças Armadas, além da libertação de vários sunitas presos soba acusação de serem insurgentes. No sábado, o Parlamento iraquiano aprovou uma leipermitindo que milhares de membros do Baath tirados dofuncionalismo público após a invasão liderada pelos EUA, em2003, regressassem a seus postos de trabalho. Os parlamentares também discutem uma lei que, se aprovada,libertaria milhares de prisioneiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.