Mais de 10 mil filipinos fogem de combates na ilha de Jolo

Conflito ocorre entre tropas do governo e membros do grupo terrorista Abu Sayyaf

Efe

11 de agosto de 2007 | 07h32

Mais de 10 mil pessoas fugiram de seus lares na ilha de Jolo, mil quilômetros ao sul de Manila, devido aos combates desta semana entre tropas filipinas e membros do grupo terrorista Abu Sayyaf, apoiado por separatistas muçulmanos. O governador de Jolo, Sakur Tan, disse que os deslocados foram abrigados em vários centros nos povoados de Maimbung, Indanan e Parang. "Há uma situação de calma após a tempestade" na província, avaliou. Ele acrescentou que tentará de evitar o uso de escolas como centros de abrigo para não interromper as aulas. Tan, que não divulgou números, confirmou que os combates desta semana causaram muitas baixas entre os rebeldes e os membros do Abu Sayyaf. Relatórios independentes obtidos por seu escritório calculam um total acima das 50 mortes anunciadas oficialmente. O governador acrescentou que "há muitos mortos entre os líderes inimigos". A presidente filipina, Gloria Macapagal Arroyo, disse neste sábado, 11, em comunicado que "não pode haver um relaxamento na luta contra o terrorismo" e que o Abu Sayyaf "merece ser condenado por seus atos de violência contra a paz e o desenvolvimento no sul das Filipinas"

Tudo o que sabemos sobre:
Filipinasconflito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.