Mais de 100 morrem em confrontos no oeste da Líbia em uma semana

Mais de 100 pessoas foram mortas e 500 ficaram feridas em uma semana de confrontos no oeste da Líbia, afirmou um porta-voz do governo, o mais recente surto de combates que destacou a volatilidade no país norte-africano meses após a deposição de Muammar Gaddafi.

REUTERS

20 de junho de 2012 | 18h50

Nenhum combate foi registrado desde segunda-feira nas áreas montanhosas no oeste, 160 quilômetros ao sul de Trípoli, ele disse, depois que o governo interino, que busca impor sua autoridade em um país fragmentado, pediu um cessar-fogo e enviou tropas para restaurar a calma.

Os confrontos, que começaram em 11 de junho, colocaram militantes da cidade de Zintan, que tiveram um grande papel na derrubada de Gaddafi, contra membros da tribo El-Mashashia, que escolheram não se envolver na rebelião do ano passado.

O ressentimento entre os dois grupos se transformou em luta em dezembro e entrou em erupção novamente na semana passada, quando um militante de Zintan foi morto a tiros. As milícias de Zintan responsabilizaram a tribo El-Mashashia e retaliaram, disseram vários membros tribais.

O porta-voz do governo, Nasser El-Manee, disse em entrevista coletiva que 105 pessoas foram mortas e 500 ficaram feridas em uma semana de confrontos. Médicos e ambulâncias foram enviados à região para ajudar a retirar os feridos, afirmou.

(Reportagem de Ali Shuaib)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAMORTOSCONFRONTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.