AP
AP

Mais de 65 mil deixaram cidades em conflito no Iraque, diz agência da ONU

Grupo ligado à Al-Qaeda invadiu regiões de Falluja e Ramadi e enfrenta soldados

O Estado de S. Paulo,

24 de janeiro de 2014 | 08h47

GENEBRA - Mais de 65 mil pessoas fugiram das cidades iraquianas em conflito de Falluja e Ramadi durante a semana passada, disse a agência da ONU para refugiados nesta sexta-feira, 24.

Mais de 140 mil ficaram desalojados desde que os combates eclodiram no ano passado, disse o porta-voz do Alto Comissariado para Refugiados da ONU (Acnur) Adrian Edwards, em Genebra.

Violência. O grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante, uma ramificação da Al-Qaeda que também está na linha de frente da guerra civil na Síria, invadiu regiões de Falluja e Ramadi com o apoio de outras organizações muçulmanas sunitas em 1.º de janeiro.

Soldados e forças de segurança iraquianos estabeleceram um cordão ao redor de Falluja, situada 50 quilômetros a oeste de Bagdá, e vêm entrando em confrontos esporádicos com os insurgentes que estão do lado de dentro.

Dois anos depois que as tropas dos EUA deixaram o Iraque, a violência voltou a atingir os níveis mais alarmantes desde o derramamento de sangue na disputa entre xiitas e sunitas em 2006 e 2007, quando dezenas de milhares de pessoas foram mortas.

A Organização das Nações Unidas (ONU) afirma que 9 mil pessoas foram mortas de forma violenta no Iraque no último ano, sendo 1.050 civis./ REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Iraquerefugiados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.