Ahmed Jadallah/Reuters
Ahmed Jadallah/Reuters

Mais de 8 mil já morreram em revolta na Líbia, diz oposição

Conselho de Transição da Líbia criticou o posicionamento da Liga Árabe em relação à intervenção

REUTERS

20 de março de 2011 | 18h53

CAIRO - Mais de 8 mil líbios alinhados com o movimento rebelde que se levantou contra Muamar Kadafi foram mortos na revolta contra o líder, informou no domingo um porta-voz do Conselho de Transição da Líbia à emissora Al Jazeera.

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

"Nosso número de mortos e mártires ultrapassa 8 mil", afirmou Abdel Hafiz Ghoga. Ele criticou o secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, pelos comentários aparentemente críticos às ações dos Estados Unidos e aliados contra a Líbia.

A Liga Árabe pediu a imposição de uma zona de restrição aérea sobre a Líbia para proteger os civis das forças de Gaddafi, mas Moussa condenou no domingo o "bombardeio de civis."

"O que está acontecendo na Líbia difere do objetivo de impor uma zona de restrição aérea, e o que queremos é a proteção de civis e não o bombardeamento de mais civis", afirmou Moussa à agência de notícias estatal egípcia.

Ghoga disse que "quando o secretário-geral falou, fiquei surpreso. Qual é o mecanismo que impede a exterminação do povo da Líbia, qual é o mecanismo, senhor secretário-geral? Se a proteção de civis não é uma obrigação humanitária, qual é o mecanismo que você nos propõe?" (Por Tom Perry)

Leia ainda:

linkEUA: Zona de exclusão aérea já funciona na Líbia

linkTropas de Kadafi invadem cidade rebelde Misrata

linkRússia diz que 48 civis morreram e pede ataques restritos

linkCoalizão volta a atacar forças de Kadafi

Tudo o que sabemos sobre:
Libiaguerramortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.