Maliki ordena investigação sobre morte de líder sunita

Representante da aliança contra Al-Qaeda, Abu Risha se encontrou com Bush durante sua viagem ao Iraque

Efe e Associated Press,

14 de setembro de 2007 | 10h38

O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, ordenou nesta sexta-feira, 14, a abertura de uma investigação para esclarecer o assassinato nesta quinta-feira do principal xeque sunita da província de Anbar, Abdul-Sattar Abu Risha.   Veja também:Al-Qaeda assume assassinato de xeque pró-EUA Bush elogia cooperação de xeque assassinado Iraquianos prometem combater Al-QaedaIraque não avança politicamenteSegundo um comunicado do escritório do primeiro-ministro, os culpados da morte de Abu Risha , importante aliado dos Estados Unidos na luta contra a Al-Qaeda no Iraque, serão em breve entregues à Justiça. Abu Risha era líder do Conselho de Salvação de Anbar, também conhecido como Despertar de Anbar - uma aliança de clãs apoiada pelas forças dos EUA que luta contra grupos insurgentes sunitas na província. Ele foi um dos líderes tribais que se reuniram com o presidente George W. Bush durante sua visita ao Iraque na semana passada. O líder da coalizão, dois de seus guarda-costas e seu motorista foram mortos quando uma bomba explodiu às 15h30 da tarde, horário local, na passagem do carro em que viajavam em Ramadi, disse o coronel Tareq Youssef, supervisor da polícia de Anbar. Abu Risha voltava de carro da sua fazenda. A nota acusa a Al-Qaeda de estar por trás da morte de Abu Risha, "em uma tentativa de que a anarquia e a instabilidade voltem à província de Anbar".  Depois do atentado, a polícia impôs o estado de emergência em Ramadi e montou barreiras rodoviárias adicionais para evitar ataques durante o enterro do líder. Um oficial da polícia de Ramadi disse que Abu Risha havia recebido um grupo de pessoas pobres em sua casa no começo do dia, um gesto de caridade marcando o início do mês sagrado muçulmano do Ramadã.   Na quinta-feira, o irmão de Abu Risha, Ahmed, foi escolhido para substituí-lo como chefe do conselho. Mas a perda de Abu Risha tornará mais difícil recrutar líderes tribais dispostos a lutar contra os insurgentes. Encontro com Bush Durante uma visita este mês à Base Aérea al-Arad, Bush enalteceu a coragem de Abu Risha e seus aliados "que tomaram a decisão de rejeitar a violência em troca da moderação e paz". "Estou ansioso por ouvir de líderes tribais que lideraram a luta contra os terroristas e lideram agora esforços para reconstruir suas comunidades", continuou Bush. "Volto a garantir a vocês que os EUA não abandonam seus amigos, e os EUA não irão abandonar o povo iraquiano". Em Washington, oficiais do Pentágono admitiram que a morte é um grande revés para os esforços dos EUA no Iraque, porque envia uma forte mensagem àqueles que estão cooperando com as forças americanas ou pensam em fazê-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.