Manifestantes líbios invadem assembleia em protesto a novo governo

Manifestantes que acreditam que sua cidade não está bem representada no eventual novo governo líbio invadiram a assembleia nacional nesta quinta-feira, enquanto os políticos se preparavam para examinar as nomeações do primeiro-ministro eleito.

ALI SHUAIB, Reuters

04 de outubro de 2012 | 16h26

O primeiro governo democrático da Líbia depois da queda de Muammar Gaddafi já se mostrou polêmico, uma vez que os nomeados por Mustafa Abushagur excluem o maior partido do Congresso, a Aliança das Forças Nacionais (AFN).

Entre 100 e 150 manifestantes da cidade de Zawiyah, no oeste da Líbia, entraram no salão onde o Congresso se reúne, forçando o cancelamento da sessão que ia estudar as nomeações.

"Depois que soubemos da lista, todo mundo em Zawiyah ficou furioso. Alguns até mesmo começaram a protestar na praça principal de Zawiyah na noite passada", disse Nuri Shambi, que viajou 50 quilômetros até a capital Trípoli para expressar a sua insatisfação.

"Abushagur disse que formaria um governo de coalizão, que buscaria a experiência. Zawiyah propôs candidatos para o Ministério do Petróleo, mas ele colocou uma pessoa que não é bem conhecida."

Os manifestantes por fim deixaram o salão, mas permaneceram do lado de fora. Uma sessão foi marcada para mais tarde na quinta-feira a fim de determinar o procedimento para a aprovação dos candidatos na assembleia, que ainda tenta se encontrar depois da primeira eleição democrática da Líbia em julho.

As indicações de Abushagur incluem muitos nomes desconhecidos, incluindo o do ministro do Petróleo, Mabrouk Issa Abu Harroura.

Embora Abushagur diga ser "neutro" politicamente, afirma-se que o ministério inclui diversos integrantes do braço político da Irmandade Muçulmana. Ibrahim al-Gharyani, líder do AFN no Congresso, disse que nenhum dos indicados é da aliança dele.

O líder do Congresso, Omar Hmaidan, disse que vários congressistas já manifestaram insatisfação com as indicações. Abushagur pode propor alternativos até domingo, se alguma escolha for rejeitada.

O líder do AFN, o primeiro-ministro rebelde nos tempos de guerra Mahmoud Jibril, perdeu uma votação no Congresso para Abushagur por uma estreita diferença para ser o próximo chefe de governo.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIANOVOGOVERNOPROTESTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.