Manifestantes palestinos entram em confronto com polícia de Israel em Jerusalém

Uma multidão de palestinos protestou no leste de Jerusalém, neste domingo, depois de saber que um jovem palestino morreu devido aos ferimentos sofridos em um confronto com a polícia de Israel na semana passada. 

AMMAR AWAD, REUTERS

07 de setembro de 2014 | 17h53

Os manifestantes do bairro de Wadi al-Joz, perto da Cidade Velha, jogaram pedras e bombas de gasolina em carros que passavam, e as forças oficiais responderam com balas de borracha durante uma tarde de confrontos que durou várias horas. Não houve relatos de pessoas seriamente machucadas.

Mohammed Sinokrot, de 16 anos, não resistiu a uma ferida na cabeça sofrida durante um protesto há uma semana, mas as circunstâncias em que a lesão foi sofrida são tema de debate.

Seu pai, Abdel-Majid, disse que o filho foi acertado na cabeça por uma bala de borracha, mas a polícia israelense disse que Sinokrot levou um tiro na perna e bateu a cabeça ao cair no chão enquanto fugia dos policiais.

O corpo foi levado para uma autópsia em Tel Aviv e a investigação policial do Ministério de Justiça de Israel estava examinando as circunstâncias do caso, disse um porta-voz da polícia.

Brigas de rua com a polícia, invasões de casas à noite e arremessos de pedras em veículos de Israel representam o mais sério surto de violência em Jerusalém desde uma revolta palestina há uma década.

Os violentos protestos na cidade estão sendo travados quase todas as noites, fora dos holofotes da guerra de Gaza, levando a uma repressão da polícia de Israel, na qual centenas de palestinos foram presos.

Os protestos começaram em julho, depois do assassinato de um adolescente palestino em uma suposta vingança por um ataque de três judeus, que estão esperando julgamento. Isso aconteceu depois da morte de três jovens israelenses da Cisjordânia ocupada pelo grupo islâmico Hamas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.