Manifestantes palestinos forçam abertura de passagem para Egito

Centenas de manifestantespalestinos lotaram a passagem fronteiriça entre a Faixa de Gazae o Egito na terça-feira para protestar contra o bloqueioisraelense, e um policial egípcio ficou gravemente ferido abala, disseram fontes de segurança. Os manifestantes tentaram abrir a passagem à força, pelolado de Gaza, mostraram imagens da TV estatal egípcia. Opolicial ferido foi levado para um hospital em Ismailia. Nove outras pessoas ficaram feridas no empurra-empurra e aoser atingidas por pedras, segundo uma fonte que não quis seidentificar. O protesto era pela reabertura do terminal de Rafah, umapassagem principalmente para pedestres que desde junho passa amaior parte do tempo fechada. Os manifestantes entoaram gritosde guerra apoiando o Hamas, que domina a Faixa de Gaza, e seulíder, Ismail Haniyeh. Mais tarde, as autoridades egípcias mobilizaram centenas depoliciais da tropa de choque em Rafah, vindos da cidade de PortSaid e de Ismailia, além de veículos blindados, disseram asfontes. Os tiros foram disparados do lado palestino, de acordo cominformações egípcias. Testemunhas no local disseram ter vistoos policiais egípcios atirarem balas de borracha para o alto. Horas antes, cerca de 50 mulheres tinham conseguido cruzara fronteira, enquanto a polícia lançava um canhão de águacontra cerca de 400 manifestantes do lado palestinos, disseramfontes de segurança. Israel não mantém presença militar em Rafah, mas um acordoentre o Estado judaico e os palestinos determina que a passagemsó pode ser aberta com o consentimento israelense. Na terça-feira, Israel retomou a entrega de suprimentospara a principal usina elétrica de Gaza, garantindo um alíviomomentâneo. O carregamento continha combustível suficiente parapelo menos três dias de funcionamento. O material foi financiado pela União Européia. Segundo ogoverno israelense, as medidas de privação a Gaza são apenasuma reação justificada aos ataques contra seu território. O presidente do Egito, Hosni Mubarak, já pediu a Israel quesuspendesse o bloqueio contra os palestinos em Gaza. Nasegunda-feira, Mubarak telefonou para o premiê israelense, EhudOlmert, e para o ministro da Defesa, Ehud Barak, para alertarsobre a deterioração da situação humanitária na faixalitorânea, dominada pelo Hamas desde o ano passado. (Reportagem de Yusri Mohamed)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.