Manifestantes retomam Praça da Pérola no Bahrein

Determinação do príncipe para que o Exército deixasse as ruas abriu o caminho para a reocupação da praça simbólica

Reuters,

19 de fevereiro de 2011 | 12h10

Protesto. Com a retirada dos tanques e soldados, multidão passou a se aproximar da praça, onde ainda se encontravam batalhões da polícia de choque

MANAMA - Manifestantes retornaram à Praça da Pérola, no Bahrein, após a retirada das forças de segurança das ruas de Manama, na tarde deste sábado, 19.

 

Veja também:

Militares disparam contra manifestantes no Bahrein e deixam 66 feridos

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos

blog Radar Global: Protestos no mundo islâmico

 

A determinação do príncipe Salman bin Hamad al-Khalifa para que o Exército voltasse aos quartéis abriu o caminho para a reocupação da praça simbólica, apelidada de Praça Tahrir do Bahrein, em referência ao palco dos protestos que levaram à queda do regime egípcio há oito dias.

 

Com a retirada dos tanques e soldados, a multidão passou a se aproximar da praça, onde ainda se encontravam batalhões da polícia de choque. De uma hora pra outra, no entanto, os policiais entraram em seus ônibus e deixaram o local.

 

"Não temos mais medo de morrer. Deixem que o Exército venha e nos mate. Vamos mostrar ao mundo o tipo de selvagens eles são", disse um dos manifestantes, que cantava e beijava o chão em júbilo. Outro homem, ajoelhado, chorava.

 

Soldados e tanques de guerra tomaram a Praça da Pérola na última quinta-feira, 17, após uma onda de choques entre os manifestantes e a polícia que deixou quatro mortos e 231 feridos.

 

Mais cedo, o príncipe Khalifa havia ordenado a retirada das tropas e determinado que a polícia se responsabilizaria pela manutenção da ordem.

 

Alguns dos manifestantes já montaram tendas na praça, num sinal de que os protestos contra o governo do país devem continuar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.