Mediadores árabes esperam acordo para encerrar crise libanesa

Uma delegação da Liga Árabe deveconcluir na quinta-feira um acordo para terminar o conflito noLíbano, depois que o governo, que tem o apoio dos EstadosUnidos, cedeu em sua luta contra o Hezbollah. A delegação deve anunciar encontros no Qatar para resolverum conflito político mais amplo, que paralisou o Líbano por 18meses e tem sido considerado um impasse indireto entre os EUA eo Irã, que apóia o movimento do Hezbollah. "Queremos voltar a fazer um acordo que, no fim, faça comque não existam vencedores nem perdedores", disse o xeque NaimKassem, o vice-líder do Hezbollah. Ele falava a repórteres depois de um encontro com adelegação, que deve conceder uma entrevista coletiva ainda naquinta-feira. Os aliados de Washington na coalizão que governa o Líbanoprejudicaram o Hezbollah nas lutas, ocasionadas por medidastomadas pelo governo na semana passada. O movimento xiita disseque essas decisões eram uma declaração de guerra. O governo cancelou as medidas na quarta-feira, atendendo àsexigências do Hezbollah e aliviando a tensão em Beirute. O Hezbollah controlou por pouco tempo as áreas muçulmanasda capital, durante o conflito que despertou as lutas entre ossunitas e os apoiadores do governo. Pelo menos 81 pessoas foram mortas durante os piorescombates desde a guerra civil (1975-90). O Hezbollah, que lidera uma aliança de facções de oposição,disse que o cancelamento das medidas do governo são um"desfecho natural" para a crise. O Hezbollah pedia que a coalizão concordasse em conversarpara que terminassem com a desobediência civil que incluía obloqueio de estradas e barricadas no aeroporto. Esses bloqueios devem ser desfeitos na quinta-feira, assimque a delegação da Liga Árabe, chefiada pelo primeiro-ministrode Qatar, anunciar que está de acordo com as negociações que aserem feitas em Doha. (Reportagem adicional de Laila Bassam e Nadim Ladki)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.