Médicos Sem Fronteiras diz que cinco integrantes foram presos na Síria

Cinco integrantes da equipe da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) foram levados de sua casa no norte da Síria na noite de quinta-feira e permanecem fora de contato desde então, informou a entidade em comunicado nesta sexta-feira.

Reuters

03 de janeiro de 2014 | 14h49

A MSF não especificou a nacionalidade dos funcionários, as funções que desempenham ou qual grupo os capturou, mas disse estar "em contato com todos os envolvidos relevantes", e que tenta restabelecer o contato com a equipe.

O grupo, conhecido por enviar médicos a zonas de conflito difíceis de alcançar, disse que a equipe foi levada supostamente para ser interrogada.

O governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, ainda controla algumas faixas de terra no norte da Síria, mas rebeldes que lutam para derrubá-lo, incluindo facções islâmicas radicais, tomaram amplas áreas da região.

A MSF não possui a sanção de Damasco para prestar ajuda na Síria, mas atua em áreas controladas por rebeldes. O comunicado diz que médicos trabalham em seis hospitais e quatro centros de saúde no norte da Síria.

Em novembro, a Organização das Nações Unidas informou que 12 funcionários da ONU e 32 funcionários ou voluntários do Crescente Vermelho Árabe Sírio foram mortos desde março de 2011, quando começou a crise, e 21 funcionários da ONU continuam detidos.

(Reportagem de Oliver Holmes)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAMSFPRISAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.