Membros do alto escalão do governo da Líbia deixam cargos, diz Al-Jazira

Chefe da petroleira estatal nega renúncia; Muamar Kadafi segue perdendo aliados

Reuters

31 Março 2011 | 18h38

CAIRO - Ao menos quatro membros do alto escalão do governo da Líbia teriam deixado o país e fugido para a Tunísia, informou nesta quinta-feira, 31, o canal árabe Al-Jazira, citando fontes não identificadas. A suposta defecção ocorre um dia após o chanceler líbio, Moussa Koussa, viajar para Londres e anunciar sua renúncia.

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

 

De acordo com a Al-Jazira, os aliados do ditador Muamar Kadafi que teriam ido para a Tunísia são Mohamed Abdul Qasim al-Zwai, presidente do Congresso; Abuzeid Dorda, chefe da inteligência; e Abdelati al-Obaidi, diplomata encarregado de assuntos europeus.

 

 

O chefe da Companhia Líbia de Petróleo, Shokri Ghanem, também foi citado pelo canal, mas rejeitou a informação e disse que "ainda está no cargo". "Isso não é verdade, ainda estou no governo e vou aparecer na televisão em minutos", disse Ghanem.

 

O Ministério de Exteriores da Tunísia afirmou desconhecer o assunto. Já a chancelaria líbia não foi encontrada para comentar o caso. Mais cedo, Ali Abdessalam Treki, que havia sido nomeado como enviado da Líbia à ONU, afirmou que não mais aceitará o cargo. "Não devemos deixar nosso país cair em um destino desconhecido. É o direito da nossa nação viver em liberdade e democracia", disse o diplomata em comunicado publicado em sites da oposição.

 

O ditador Muamar Kadafi enfrente uma revolta popular desde fevereiro. Os opositores querem colocar um fim ao regime líbio, que já dura 41 anos. Durante os mais de 40 dias de rebelião, o coronel perdeu o apoio de vários diplomatas e tem travado combates por ganhos territoriais com os rebeldes, que estão protegidos por uma coalizão internacional autorizada pela ONU a agir.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.