Menina de 15 anos é presa com colete de explosivos no Iraque

Mãe e irmã da jovem são presas com mais artefatos; parentes são suspeitos de recrutarem a adolescente

Agências internacionais,

25 de agosto de 2008 | 09h34

Uma adolescente de 15 anos vestindo um colete de explosivos se rendeu aos policiais no domingo, 24, evitando um novo atentado suicida em Baquba, segundo informações do comando militar americano no Iraque.   O número de mulheres-bomba que cometeram ataques no Iraque cresceu nos últimos meses, especialmente na província de Diyala, cuja capital é Baquba. De acordo com agentes iraquianos, após confirmar que a menina levava os explosivos, equipes antibomba foram chamadas para desativar o artefato. Após a prisão, a menina levou os policiais até um apartamento vazio entregou outro cinturão de explosivos. Oficiais afirmam que a mãe e uma irmã da garota também foram presas.   A adolescente continua sob custódia das forças de segurança. O porta-voz americano, Jon Pendell, afirmou que a rendição da jovem mostra "que as milhares iraquianas entendem sua importância na sociedade e o valor da vida", e indica que a população "rechaça a Al-Qaeda e suas práticas". A menina disse que seu primeiro nome era Rania e que nasceu em 1993. Um policial afirmou que a família da jovem é conhecida por apoiar a Al-Qaeda no Iraque, e que seu pai já promoveu ataques com bomba. O oficial, que falou sob anonimato, disse que um parente é suspeito de ter recrutado a jovem.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.