Mercosul recrimina bombardeio israelense na Faixa de Gaza

Membros do grupo pedem 'fim às hostilidades' e que partes envolvidas 'formulem chamada para retomar o diálogo

Efe,

28 de dezembro de 2008 | 13h48

O Mercosul expressou neste domingo, 28, "preocupação e repúdio" pelo aumento da violência na Faixa de Gaza, assim como pesar pelos "trágicos resultados" do bombardeio israelense nesse território palestino. Veja também:Israel aprova convocação de reservistas para ofensiva em GazaAbbas: ataques podiam ser evitados; Olmert promete 'firmeza'Ministros árabes se reúnem na 4ª para discutir ataques a GazaONU pede cessar fogo imediato de Israel na Faixa de Gaza Conheça a história do conflito entre Israel e palestinosOfensiva israelense deve sepultar esforço de pazHamas pede nova Intifada contra Israel após ataquesItamaraty condena 'reação desproporcional' de IsraelVeja imagens de Gaza após os ataques     "Os países-membros do Mercosul manifestam sua preocupação e repúdio à escalada da violência e intimidação na Faixa de Gaza", afirmou um comunicado do Ministério das Relações Exteriores do Paraguai, que exerce a Presidência semestral do bloco. Os membros do Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) "lamentam o trágico saldo de quase 200 mortos" e centenas de feridos "entre a população civil" causado pelo bombardeio israelense em Gaza, iniciado no sábado e que continuou na madrugada deste domingo. Em Jerusalém, últimas informações apontavam que pelo menos 282 pessoas morreram e 900 ficaram feridas nos bombardeios.  Os Estados-membros do Mercosul solicitam "às partes que ponham fim às hostilidades e formulem uma chamada para retomar imediatamente o diálogo, a fim de restaurar a paz e a justiça na região". O documento acrescenta que é necessário "preservar e facilitar de forma permanente o fluxo normal de provisões e de serviços para atender às necessidades mais urgentes da população em Gaza".

Tudo o que sabemos sobre:
MercosulFaixa de GazaIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.