Milhares de paquistaneses relembram assassinato de Bhutto

Ato no mausoléu em que a ex-primeira-ministra está enterrada reúne mais de 150 mil pessoas neste sábado

Efe,

27 de dezembro de 2008 | 08h00

Milhares de paquistaneses lembram neste sábado, 27, o primeiro aniversário de morte da ex-primeira-ministra do Paquistão Benazir Bhutto com atos e homenagens por todo o país. Os atos mais importantes ocorrem no mausoléu familiar de Naudero, onde Bhutto está enterrada, e em Rawalpindi, onde a então líder do Partido Popular do Paquistão (PPP) foi assassinada, ao final de um comício, apenas dois meses após seu retorno do exílio.                                                                                                                Foto: Associated Press A imprensa paquistanesa publica dezenas de anúncios do governo - sob poder do PPP -, de partidos políticos, embaixadas e empresas em lembrança da líder, à qual dedicam extensos suplementos especiais. Em mensagem à nação publicada pela imprensa, o viúvo de Bhutto e presidente do país, Asif Ali Zardari, disse neste sábado que Benazir sempre será lembrada como a líder que "deu voz aos que não tinham", e disse as pessoas normais que estiveram em contato com ela se transformaram em "gente extraordinária". "Peço às forças democráticas que se dediquem a combater o extremismo, fortalecendo as instituições democráticas", disse Zardari, acrescentando que o assassinato de Bhutto "não foi um ataque contra ela", mas "contra a viabilidade do Estado". O primeiro-ministro paquistanês, Yousaf Raza Gillani, disse, em outro comunicado, que Bhutto "mostrou ser uma líder mundial e elevou a imagem do Paquistão", e expressou que 27 de dezembro "é o dia mais importante na história do Paquistão". A cúpula do PPP e milhares de simpatizantes foram até Naudero para levar flores, rezar, cantar e participar dos atos de homenagem, informou o canal privado Geo TV. Zardari chegou na sexta-feira ao local junto com as filhas Asefa e Bakhtawar e o filho, Bilawal, além de outros parentes. O governo declarou o dia de hoje feriado e aumentou as medidas de segurança em vários pontos do país. No parque de Rawalpindi junto ao qual aconteceu o atentado, centenas de pessoas foram lembrar a falecida líder com velas e retratos, em uma homenagem que continuará durante o dia todo.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoBenazir Bhutto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.