Milhares de sírios protestam contra EUA após ataque

Bombardeio na região da fronteira com o Iraque deixou oito mortos; manifestação ocorre sem violência

Agência Estado e Associated Press,

30 de outubro de 2008 | 09h17

Milhares de sírios participaram de um protesto no centro de Damasco, orquestrado pelo governo local, contra um ataque aéreo dos Estados Unidos realizado contra o território da Síria. A manifestação durou duas horas e transcorreu pacificamente, em seguida os estudantes voltaram à escola e os empregados, ao trabalho. O ataque dos EUA, ocorrido no domingo perto da fronteira com o Iraque, deixou oito mortos. O governo exigiu desculpas pela operação com helicópteros, na comunidade Abu Kamal. Além disso, Damasco ameaçou interromper a cooperação na fronteira caso haja novos ataques norte-americanos no território sírio. As autoridades, porém, se preveniram contra qualquer possibilidade do protesto desta quinta-feira sair do controle, enviando centenas de policiais. A embaixada dos Estados Unidos não funcionou nesta quinta-feira.  "Nós não vamos nos submeter ao terrorismo", dizia uma das faixas do protesto. A escola americana de Damasco também foi fechada nesta quinta-feira. Washington não comentou formalmente a operação de domingo. Alguns militares do país, falando sob condição de anonimato, disseram que o alvo era um alto comando da Al-Qaeda no Iraque, Badran Turki al-Mazidih. A Síria insiste que todas as vítimas eram civis e desafiaram os norte-americanos a provar que algum membro da Al-Qaeda era o alvo do ataque.  Os EUA reclamam que a Síria não faz o suficiente para impedir a passagem de terroristas pela fronteira com o Iraque. Damasco argumenta que faz o possível para proteger a longa e porosa fronteira.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaEUAIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.