Milhares fogem da Síria e enfrentam falta de alimentos-ONU

Milhares de famílias sírias abandonaram suas casas nas duas últimas semanas por causa dos pesados combates entre forças governamentais e os rebeldes, e muitas delas estão sofrendo com a falta de alimentos, informou a ONU nesta sexta-feira.

STE, Reuters

06 de julho de 2012 | 12h42

De acordo com a ONU, os preços dos alimentos triplicaram em partes de sete províncias onde os meios de sustento de agricultores e pecuaristas estão à beira do colapso porque a colheita do trigo vem sendo adiada em razão da escassez de óleo diesel, necessário para o maquinário.

"Em toda a parte a situação é caracterizada por grave insegurança e combates contínuos, o que significa que as agências das Nações Unidas não têm acesso a muitas áreas", disse o porta-voz do escritório da ONU de Coordenação dos Assuntos Humanitários, em declaração à imprensa em Genebra.

Muitos dos 200 mil moradores de Douma, situada 15 quilômetros ao norte da capital síria, fugiram para a área central de Damasco, segundo o escritório da ONU.

Na quarta-feira, ativistas disseram que habitantes da "cidade fantasma" recolheram corpos mutilados depois de uma investida de milicianos leais ao presidente Bashar al-Assad e de disparos do Exército.

Cerca de 30 mil pessoas fugiram da cidade de Deir al-Zor, no leste, e seguiram em direção a Hassaka e Al-Raqqa, no norte, de acordo com a ONU. Civis também estão deixando as cidades de Hama, Idlib e Al-Raqqa, e seguindo para Aleppo.

O Crescente Vermelho Árabe Sírio havia estimado anteriormente que pelo menos 500 mil pessoas tiveram de deixar suas casas na Síria e se deslocaram para outras regiões do país.

Autoridades da Síria e do Programa de Alimentos da ONU realizam um levantamento conjunto das necessidades alimentares em sete províncias.

"Problemas com o acesso ao diesel para o maquinário estão prejudicando a colheita de trigo. Famílias deslocadas internamente e agora vivendo em áreas urbanas e periferias de cidades estão enfrentando crescente insegurança alimentar", disse o escritório de Assuntos Humanitários da ONU, que acrescentou ser necessária assistência urgente antes do início do inverno.

O Programa Alimentar da ONU está distribuindo comida em todas as 14 províncias da Síria, por meio do Crescente Vermelho, e espera que o fornecimento chegue a 850 mil pessoas em julho.

Mais de 10 mil refugiados sírios se registraram no Iraque, Jordânia, Líbano e Turquia nas duas últimas semanas, elevando o total nesses países a mais de 103 mil pessoas, de acordo com a ONU.

Mais conteúdo sobre:
SIRIAREFUGIADOSALIMENTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.