Milícia palestina ameaça aumentar ataques a Israel no Ramadã

Em resposta, Jerusalém pode cortar o fornecimento de água, combustível e eletricidade para a Faixa de Gaza

Efe,

13 de setembro de 2007 | 12h00

Uma milícia palestina, os Comitês Populares de Resistência (CPR), anunciou nesta quinta-feira, 13, um aumento do lançamento de foguetes artesanais contra o sul de Israel durante o mês do Ramadã, que começou pouco antes do nascer do sol. Os Comitês dão o nome de "mensagens de morte" a esta campanha, que terá como alvos as cidades israelenses perto da Faixa de Gaza e as bases militares em volta. "A operação é em resposta aos crimes israelenses contra nosso povo na Faixa de Gaza e na Cisjordânia e para afirmar a continuação da resistência", ressalta a milícia, formada por dissidentes de outros grupos. O governo israelense prepara um plano para cortar o fornecimento de água, combustível e eletricidade para a Faixa de Gaza por ser a origem do contínuo lançamento de foguetes artesanais.  Embora quase não causem vítimas mortais, o constante lançamento destes projéteis lançados por militantes palestinos gera uma grande inquietação nas localidades e kibutzim - pequenas propriedades rurais - próximos, que pressionam o governo israelense para tomar medidas. Na última terça-feira, um destes foguetes Qassam feriu 69 soldados - um deles de gravemente -, quando pernoitavam em uma tenda de campanha na base de Zikim, a apenas um quilômetro da fronteira. Assumido pelo braço armado dos Comitês Populares de Resistência - os Batalhões da Águia de Saladino -, e da Jihad Islâmica - os Batalhões de Al Quds (Jerusalém) -, foi o ataque mais sério desse tipo desde que os milicianos palestinos começaram a lançar os Qassam contra Israel, no início da Segunda Intifada, em setembro de 2000. Em comunicado, os CPR asseguram ter alcançado hoje quatro bombas contra uma base militar a leste de Gaza e disparado três Qassam contra as cidades israelenses de Sderot, Ashkelon e Zikim. A imprensa israelense não informou sobre vítimas nem danos materiais.

Tudo o que sabemos sobre:
PalestinosRamadãGaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.