Milícias do sul da Líbia chegam a acordo para suspender combates

Milícias rivais da cidade de Sabha, no sul da Líbia, chegaram a um acordo para encerrar quatro dias de combates que deixaram mais de 50 mortos, marcando uma nova tentativa governamental de impor a ordem no país, meses depois da derrubada do regime de Muammar Gaddafi.

REUTERS

29 Março 2012 | 18h09

Representantes das milícias haviam aceitado um cessar-fogo na quarta-feira, mas os combates foram parcialmente retomados horas depois. A violência começou no domingo, quando os grupos - um de combatentes de Sabha, outro do grupo étnico tibu - se estranharam na disputa por um carro, segundo locais.

Privado de um Exército nacional autêntico, o governo provisório da Líbia sofre para persuadir as muitas milícias que se envolveram na guerra civil contra Gaddafi a deporem suas armas, entrando para a polícia e as Forças Armadas. Uma delegação com funcionários de vários ministérios viajou a Sabha para mediar o acordo.

"As partes em conflito chegaram a um acordo, e ele será assinado nas próximas horas", disse um porta-voz governamental, acrescentando que os dois grupos concordaram em ceder ao Exército o controle sobre os acessos a Sabha, inclusive o aeroporto, onde houve violentos combates.

Na quarta-feira, o governo disse que 3.000 soldados e guardas de fronteira haviam sido enviados à região.

(Por Taha Zargoun e Marie-Louise Gumuchian)

Mais conteúdo sobre:
LIBIA COMBATES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.