Militantes atacam Zona Verde de Bagdá com foguetes

Militantes bombardearam a Zona Verde deBagdá com foguetes no domingo, aproveitando a poucavisibilidade causada por uma tempestade de areia para lançar umdos ataques mais pesados em várias semanas contra o complexofortificado. Os ataques aparentemente desafiaram um chamado porcessar-fogo lançado na sexta-feira pelo clérigo xiita Moqtadaal Sadr, em função do qual muitos dos seguidores armados emascarados do clérigo deixaram as ruas da favela de Sadr City,na zona leste de Bagdá, que eles dominam. Correspondentes da Reuters ouviram os mísseis passando noar e explodindo dentro do complexo fortificado na margemocidental do rio Tigre, que abriga instalações governamentais ediplomáticas. Sirenes tocaram, avisando às pessoas parabuscarem abrigo. A polícia iraquiana disse que oito mísseis ou morteirosatingiram a Zona Verde e outros 14 caíram em outros pontos dacapital iraquiana, deixando dois mortos e 20 feridos. Um porta-voz da embaixada americana, Armand Cucciniello,disse: "A Zona Verde foi atingida por várias cargas de IDF(fogo indireto), mas não posso dizer mais que isso." Milicianos dispararam 700 mísseis e morteiros nos últimos30 dias, mas as forças americanas tinham dito que acreditavamter reduzido a capacidade dos combatentes de atingir a ZonaVerde, com a ocupação de parte de Sadr City mais próxima docomplexo diplomático. Em casos de disparos de mísseis, as forças americanasnormalmente reagem rapidamente com ataques de helicópteros, masisso não é possível durante uma tempestade de poeira. As forças americanas informaram ter matado seis militantesem ataques aéreos em Sadr City antes de o tempo piorar, durantea tarde. A polícia iraquiana e fontes de hospitais disseram quedez pessoas foram mortas e mais de 40 feridas durante a noitena favela. "Quero ressaltar que não foram choques 'violentos', pelomenos não segundo nossa definição. Não foram enfrentamentosarmados prolongados", disse o porta-voz militar dos EUA,tenente-coronel Steven Stover. "Os ataques têm continuado, masem número menor." COMBATENTES DEIXAM AS RUAS Em Sadr City, segundo repórteres da Reuters, os combatentesusando máscaras negras que patrulham as ruas há meses vinhammantendo perfil mais discreto, em resposta ao chamado de Sadrpara que observassem uma trégua. "Esta manhã, os americanos entraram a pé, vindos da área deJamila. Poderíamos tê-los atingido, mas temos ordens dedefender a cidade contra os ocupantes, mas não dentro dacidade", disse Abu Jassim, comandante de rua do Exército Mehdi.Fora de Sadr City, um repórter da Reuters viu combatentesplantando uma bomba numa rua. O enfrentamento entre o governo e os combatentes de Sadrcomeçou há um mês, quando o primeiro-ministro xiita Nuri alMaliki lançou uma operação de repressão na cidade de Basra. Apesar dos reveses iniciais, a campanha de Basra vem sendoem grande medida bem sucedida. Tropas do governo tomaram ocontrole de bairros antes vistos como redutos da milícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.