Militantes sírios matam soldado libanês capturado; bomba mata dois

A Frente Nusra, afiliada da Al Qaeda na Síria, matou um dos soldados libaneses que era mantido em cativeiro, segundo fontes de segurança libanesas e uma declaração no Twitter nesta sexta-feira.

REUTERS

19 de setembro de 2014 | 18h56

Os militantes sunitas e outros rebeldes na Síria acusam regularmente o Exército libanês de trabalhar com o Hezbollah, o movimento xiita libanês que enviou combatentes para ajudar as forças do presidente sírio, Bashar al-Assad.

Dois soldados libaneses também foram mortos por uma bomba na sexta-feira perto da cidade fronteiriça de Arsal, disseram fontes de segurança, no primeiro ataque desse tipo desde que militantes islâmicos da Síria fizeram uma incursão à região no mês passado, o mais grave avanço até o momento da guerra civil síria até o Líbano.

Homens armados, incluindo combatentes filiados ao grupo Estado Islâmico, capturaram uma série de soldados libaneses durante essa incursão. Militantes do Estado Islâmico já decapitaram dois desses soldados desde então.

O assassinato desta sexta-feira foi o primeiro relatado a ter sido realizado pela Frente Nusra, que, assim como o Estado Islâmico, mantém mais de uma dezena de soldados libaneses em cativeiro.

A declaração no Twitter em uma conta afiliada à Frente Nusra, disse que o soldado havia se tornado "a primeira vítima da intransigência do Exército libanês, que se tornou um joguete nas mãos do partido iraniano", referindo-se ao Hezbollah.

Os militantes sunitas têm exigido a libertação de islamitas detidos em uma prisão libanesa.

FERIDOS

Três soldados foram feridos nesta sexta-feira por bomba, que atingiu um veículo militar para transporte de pessoal.

Após o bombardeio, os soldados invadiram casas na cidade em busca de militantes, disseram fontes de segurança. Mais tarde, de acordo com a agência de notícias estatal, o Exército usou "armas pesadas" para atingir posições de militantes em torno de Arsal.

A cidade muçulmana sunita tornou-se um refúgio para dezenas de milhares de sírios que fogem da guerra civil no país.

Dois foguetes caíram na região da cidade de al-Labwe, perto de Arsal, mas não foram registradas vítimas, disseram fontes de segurança.

Na manhã desta sexta-feira, soldados libaneses prenderam dois sírios na cidade de Baalbek, no Vale do Bekaa, que confessaram pertencer à Frente Nusra, disseram fontes de segurança.

As forças de segurança também detiveram seis sírios na cidade predominantemente xiita de Nabatiyeh, no sul do Líbano, que confessaram ter participação em "grupos terroristas", disse uma autoridade de segurança. Um havia sido encontrado com cintos de explosivos, segundo a fonte.

(Reportagem de Laila Bassam)

Mais conteúdo sobre:
SIRIAMORTESOLDADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.