Militar dos EUA é culpado de matar soldado iraquiano

Americano pode ser condenado a até oito anos de prisão, além de ser expulso da Marinha

Associated Press,

14 de dezembro de 2007 | 02h32

Um reservista da infantaria da Marinha foi considerado culpado nesta quinta-feira de matar um soldado iraquiano, quando ambos estavam de guarda em um posto em Falujah. O cabo de primeira classe Delano Holmes, de 22 anos, foi considerado culpado de homicídio por negligência, apesar de ter se livrado da acusação mais grave, homicídio sem premeditação. Ele também foi considerado culpado de mentir em uma declaração oficial. Um tribunal formado por três oficiais e cinco infantes da marinha emitiu a sentença após dois dias de deliberações sobre se a morte do soldado iraquiano Munther Muhammed Hassin foi um assassinato ou um homicídio em legítima defesa. Holmes não reagiu após escutar o veredicto, disse um porta-voz da Infantaria da Marinha. Após a declaração de culpabilidade, a audiência entrou em recesso. Os trabalhos serão retomadas na manhã desta sexta-feira, 14. Holmes pode pegar até oito anos de prisão. Além disso, ele pode ter sua patente rebaixada e até ser expulso da Infantaria da Marinha. Holmes foi acusado de matar a punhaladas Hassin. Seu advogado alegou legítima defesa, mas a promotoria entendeu que foi um assassinato.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIraqueassassinatoviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.